Ads Top

Qual o verdadeiro significado do “E” de ESG para a política das empresas?

O “E” da sigla ESG nas empresas é um pilar que está em pauta após o relatório feito pelo Pacto Global em 2004 sob a gestão da Organização das Nações Unidas (ONU). Atrelado ao documento “Who Cares Wins” do Banco Mundial, ambos são promovidos para engajarem empresas e organizações na aplicação das melhores práticas em direitos humanos, meios de produção, meio ambiente e anticorrupção.

Assim, a questão ambiental faz parte do nosso cotidiano há anos e engloba desde os hábitos de consumo e descarte, que cada pessoa realiza em sua vida cotidiana, até a rotina na empresa. É, enfim, um fator que precisa ser ressignificado. Afinal, em 5 de junho foi celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente.

O “E” da sigla ESG nas empresas é um pilar que está em pauta após o relatório feito pelo Pacto Global em 2004 sob a gestão da ONU.

E o que isso tem a ver com as empresas? O que isso tem a ver comigo?

Na sigla, o “E” significa environmental em inglês – ambiental, na língua portuguesa. A busca por ESG cresceu mais de 700% no Google Trends até junho de 2022 com a pergunta: “O que é ESG nas empresas?”. Os profissionais das áreas de engenharia ambiental, desenvolvimento sustentável, entre outros estudiosos, inclusive de sistemas econômicos, propõem a adoção de ações mais conscientes e bem estruturadas.

Essas iniciativas podem envolver a criação de insumos que geram menos impacto ambiental – da produção ao descarte final -, buscando nos 8Rs da sustentabilidade (Instituto Akatu) formas de reduzir o impacto de resíduos no meio ambiente.

O estudo do Banco Mundial citado acima estima que até 2025 cada pessoa produzirá 1,4 quilo de resíduos por dia. Sendo assim, mundialmente teremos 2,2 bilhões de toneladas de lixo, sendo que 80% desse lixo pode ser reciclado se observarmos algumas regras básicas do 8Rs: refletir, reduzir, reutilizar, reciclar, respeitar, reparar, responsabilizar-se e repassar.

Hoje, no Brasil, recicla-se vidro, alumínio e inox. Demais materiais, como isopor, plástico biodegradável, entre outros, são considerados de valor irrisório, por isso não há um esforço para reciclá-los e o descarte inadequado acontece.

Essa ausência de cuidados atinge diretamente as áreas urbanas, a fauna e flora marinhas, que sofrem “intoxicações” geradas, inclusive, em eventos ou ações cotidianas. Ocasiões que desconsideram a contaminação ambiental e até mesmo a morte de determinadas espécies, que acabam comendo ou se sufocando com esses resíduos. Muitas pessoas desconhecem que os itens descartados permanecem mais de 100 anos nas águas de rios, oceanos e mares.

O perigo do plástico

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, tem alertado para o crescimento da contaminação por plástico, mostrando que, além de ampliar o efeito estufa ano a ano, o material pode chegar a 6,5 gigatoneladas até 2050. Quantidade que corresponde a 85% do lixo encontrado nos mares do mundo, gerando contaminação nos alimentos, no sal que vem dos mares e até mesmo em micropartículas do ar, que podem ser inaladas e penetrar nos poros humanos.

Se sua empresa não estiver aplicando regras de controle para reduzir o consumo de produtos à base de plástico, mapeando sua cadeia de produção e de descarte, ela é uma das organizações que estão promovendo a redução na qualidade de vida de todas as pessoas do planeta. Pode “parecer” mais barato, mais higiênico ou até mais simples adquirir e descartar itens plásticos, mas se não houver conscientização sobre a forma correta de encaminhar os resíduos, você e sua organização vão acelerar o desequilíbrio ambiental mundial.

No último Fórum de Eventos, realizado em maio, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo, uma parte foi dedicada à temática de ESG. Foram apresentados dados reais sobre impactos adversos causados por eventos, alguns deles expostos por especialistas como Ronaldo Ferreira, da Agência um.a, Alexis Pagliarini, da ESG4, e Daniel Costa, da Linha Aberta. A ocasião também contou com a presença de Viviane Elias, CPIO da 99jobs, que elencou ações assertivas sobre o assunto, atividade que também integrou as reflexões para provocar um novo olhar em torno de toda a cadeia produtiva.

ESG para a sustentabilidade

Empresas, clientes, fornecedores e todos os stakeholders precisam colaborar entre si para garantir ações imediatas. O primeiro passo é olhar para sua área de compras: o que você compra? Há opções mais sustentáveis? Existem produtos recicláveis que permitem reuso? Há fornecedores locais sendo incluídos nas suas ações? Também vale se atentar quanto ao desenvolvimento de fornecedores para que suas operações sejam sustentáveis e menos agressivas ao meio ambiente, bem como se as rotas de descarte, a mão de obra e a fonte dos materiais são conhecidas e confiáveis, e ainda se o consumo é consciente e saudável.

Incluir o “E” em sua estratégia é fundamental para garantir que o território de atuação seja preservado e que o ecossistema local esteja protegido. Contratar talentos locais e apoiar negócios nesse mesmo sentido também são ações que precisam estar na sua estratégia. O meio ambiente é de responsabilidade de todas as pessoas, e são as pessoas que hoje mudam o que não se pode mais aceitar, a fim de construir um novo amanhã.

Leia também: ESG: como criar um e-commerce para a ecologia

O post Qual o verdadeiro significado do “E” de ESG para a política das empresas? apareceu primeiro em E-Commerce Brasil.

Na próxima semana farei mais um review com depoimento e resenha sobre Qual o verdadeiro significado do “E” de ESG para a política das empresas?. Espero ter ajudado a esclarecer o que é, como usar, se funciona e se vale a pena mesmo. Se você tiver alguma dúvida ou quiser adicionar algum comentário deixe abaixo.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.