Ads Top

Segurança de dados e compliance no e-commerce: as melhores práticas

O e-commerce experimentou um crescimento exponencial em 2020 e, neste ano, o cenário não deve ser diferente. Com o isolamento social, as compras online (que já estavam aumentando progressivamente) passaram por um boom. Mas há riscos envolvendo as compras virtuais e a segurança de dados e informações pessoais dos consumidores. É algo que não deve jamais ser ignorado por quem vende produtos e serviços pela internet.

Aqui, vamos abordar vários tópicos essenciais para que você implemente práticas mais eficientes para tornar seu ecommerce ainda mais seguro.

A importância da segurança de dados

Com este crescimento, a segurança de dados se torna cada vez mais um tópico fundamental. Ter uma boa compliance (ou seja, uma boa política de práticas de respeito às normas, regulamentações e regras) em relação às informações pessoais recebidas dos consumidores é o que separa empresas responsáveis de negócios movidos a amadorismo.

Em um mundo cada vez mais digital, este é o divisor de águas, o filtro que separa, no mercado, empresas responsáveis daquelas que não se importam com o tema. E os consumidores sabem valorizar isto.

É essencial que seus clientes possam confiar na integridade do seu serviço. Quando eles informarem dados bancários, dados de cartão de crédito e realizarem transações na sua plataforma de e-commerce, eles devem sentir segurança e confiança no que estão fazendo.

É exatamente por isso que a segurança dos dados (e a segurança cibernética como um todo) é um fator indispensável, principalmente se você procura por parcerias público-privadas ou níveis mais profissionais de negócios.

Preocupações com privacidade

Há uma grande desconfiança por parte dos consumidores em relação à privacidade de seus dados e à segurança de suas informações, e isto pode causar impactos no e-commerce que, apesar de crescer e conquistar públicos cada vez maiores, ainda desperta dúvida em muitas pessoas.

Os internautas procuram cada vez mais mecanismos para melhorar sua privacidade no mundo digital – como limitar redes sociais, usar navegadores mais privativos e ferramentas como uma VPN (ferramentas que criptografam a conexão e permitem a alteração da conexão para servidores ao redor do mundo, dificultando a captura de seus dados e registros online). 

O uso mais frequente de ferramentas como VPN mostra que grande parte das pessoas quer um nível maior de privacidade e não confiam no modo como suas informações são coletadas e com quem elas são compartilhadas.

Fique de olho na legislação sobre proteção de dados

O Brasil já conta com algumas leis relativas à proteção de dados digitais. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em agosto de 2020 e as empresas têm como prazo o ano de 2021 para se adequar à legislação vigente. É uma legislação adotada no Brasil e bastante semelhante a legislações adotadas, por exemplo, na União Europeia.

Na prática, a partir de 2022 a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) já pode aplicar penas previstas em lei para as empresas que não se adequarem a estas normas.

Mas não se engane pelo prazo aparentemente grande: muitos dos processos são complexos e levam tempo – e muitas empresas realmente estão longe de se preparar para isto.

Se você tem um e-commerce, não importa o tamanho e o ramo, é essencial estudar estas novas exigências e se adaptar a elas.

Adequação para programas de PPI

PPI é a sigla para Programa de Parcerias de Investimentos, uma série de incentivos para parcerias entre empresas e o governo brasileiro com o objetivo de otimizar a economia e incentivar o fomento à indústria e ao desenvolvimento tecnológico, basicamente.

Se você tem interesse em se informar mais sobre a PPI e como seu negócio pode se beneficiar destes incentivos, é essencial se adequar às normas da LGPD, por exemplo.

Obedecer às novas legislações não apenas melhora sua relação de confiança com seus visitantes/clientes, mas também permite a abertura de um leque maior para seus investimentos e a expansão dos seus empreendimentos. 

A importância de uma CMP

Uma CMP (sigla para Consent Management Platform, ou “plataforma de gerenciamento de consentimento”) é uma plataforma usada para criar avisos e informativos sobre qualquer coisa que diga respeito à privacidade dos usuários, quais de seus dados são coletados e como eles são usados – o que envolve cookies, dados de login, informações pessoais e outras recomendações.

A melhor forma de usar uma CMP é mostrar o máximo de honestidade e transparência para seus usuários e/ou clientes. Esqueça a ideia de “esconder” as coisas ou fazer tudo por “debaixo dos panos”: sinceridade e integridade são palavras que valem ouro.

Com a tecnologia CMP, independente do fluxo de pessoas na sua plataforma (algumas dezenas por dia, milhares ou até milhões), você consegue gerenciar os termos de consentimento de todos os visitantes, o que inclui consentimento para uso das informações pessoais coletadas pela plataforma, o modo como essas informações serão usadas e a opção de rever ou não concordar com estes termos.

A LGPD deixa claro que os usuários devem ter ciência de que seus dados estão sendo coletados, quais são esses dados e como serão usados, tendo liberdade para concordar (ou seja, permitir) ou discordar deste processo. 

De acordo com a LGPD, quando as leis entrarem efetivamente em vigor, a não observação destas normas pode gerar multas de 2% dos ganhos da empresa (mas com um limite de R$50 milhões para cada infração, individualmente).

Compliance para ambientes interconectados

Se você vende seu produto e/ou serviço pela internet, com certeza há mais de uma ferramenta interconectada para fazer com que seu e-commerce funcione. Você pode usar um website construído e mantido com WordPress, usar vários plugins e ferramentas de BI (Business Intelligence), sistemas de ERP (Enterprise Resource Planning), ferramentas de marketing digital e plataformas prontas de e-commerce.

Se este é o caso, é essencial seguir a compliance entre todas estas plataformas. Assim, se seus clientes usarem mais de um recurso, a segurança dos dados deles estará garantida mesmo que eles migrem de um serviço para outro.

É importante também se informar sobre o modo como as empresas que gerenciam as ferramentas que você usa lidam com os dados dos usuários. Elas também precisam seguir normas em relação aos dados das pessoas e o modo como essas informações são usadas.

A adequação do marketing digital à LGPD

O marketing digital é uma modalidade cada vez mais expressiva de se vender algo na internet. Há várias ferramentas que potencializam as vendas, com uma ênfase cada vez maior para os chamados produtos digitais. 

Como as estratégias de marketing dependem de informações pessoais dos usuários (como e-mail, por exemplo), elas também são incluídas nas novas normas da LGPD. Ou seja, realizar estratégias de e-mail marketing (e marketing digital em geral) sem consentimento dos usuários já não era uma boa ideia, mas a partir da vigência efetiva da LGPD acaba se tornando infração.

Ferramentas como a Tail ajudam a configurar estratégias de publicidade em conformidade com as novas normas. 

Se você se preocupa com a privacidade e o consentimento dos seus clientes e visitantes, adotar estas práticas não será nada impossível. Afinal, apresentar seu produto de modo a constranger e irritar as pessoas definitivamente não é a metodologia que você quer adotar.

O impacto da LGPD no Google Analytics

O Google Analytics possui uma série de métricas e análises que ajudam a interpretar melhor os resultados e números sobre suas estratégias de marketing, redes sociais, fluxo de pessoas nas suas plataformas, etc.

Grande parte destes serviços inclui coleta, armazenamento e compartilhamento de informações pessoais. A Google é reconhecidamente uma empresa que faz este tipo de coleta, e de forma bastante extensa.

Cuidados em relação a fornecedores

Em relação às informações por parte de fornecedores, também é preciso seguir adequações estabelecidas pela LGPD. É importante estabelecer o modo como seus fornecedores usam suas informações e vice-versa.

A transparência em relação aos dados dos seus clie

Conclusões finais

ntes, usuários, visitantes, fornecedores e qualquer pessoa ou empresa que lide com seu negócio é um ponto fundamental.

Apesar de a LGPD impor uma série de mudanças, a política de respeitar o consentimento e a privacidade dos usuários deve ser uma política essencial do seu negócio.

Se sua empresa envolve outros funcionários, é importante oferecer treinamentos adequados para que eles saibam lidar com os diferentes níveis de informações e sobre como respeitar a privacidade destes dados.

Segurança em e-commerce significa adotar práticas éticas que melhoram sua relação com seus clientes e a imagem da sua empresa como um todo, e deve ser uma preocupação independente de qual produto

O post Segurança de dados e compliance no e-commerce: as melhores práticas apareceu primeiro em E-Commerce Brasil.

Na próxima semana farei mais um review com depoimento e resenha sobre Segurança de dados e compliance no e-commerce: as melhores práticas. Espero ter ajudado a esclarecer o que é, como usar, se funciona e se vale a pena mesmo. Se você tiver alguma dúvida ou quiser adicionar algum comentário deixe abaixo.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.