Ads Top

As vantagens de ter um parceiro tecnológico para atuar em marketplaces

O distanciamento social obrigou as pessoas a ficarem em casa, fechou o comércio e, como consequência, impulsionou as vendas pela internet. Isso levou grandes e pequenos players do varejo brasileiro a fazerem em semanas um trabalho que não havia sido feito em uma década: digitalizar cada vez mais as suas operações.

E se não está sendo fácil para os grandes, imagine para os pequenos e médios empreendedores? Se é ou não um reflexo desse trabalho não feito, durante a pandemia muitos negócios fecharam as portas e muitos outros podem deixar de existir em breve. Segundo um levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgado em julho, mais de 500 mil empresas deixaram de existir por conta da pandemia de coronavírus. E no grupo de 2,7 milhões de empresas que permaneceram em atividade, 70% relataram que a pandemia teve impacto geral negativo sobre os negócios.

Por outro lado, o confinamento das pessoas em casa fez com que o segmento de vendas digitais no Brasil experimentasse taxas chinesas de crescimento. Segundo a Ebit Nielsen, já nas primeiras semanas da Covid-19, entre 17 de março e 27 de abril, a receita do setor avançou 48,3% no País, ante igual período de 2019. As empresas brasileiras puramente de e-commerce — ou com forte operações nesse campo listadas em bolsa — também registraram bons indicadores com a pandemia, com valorização das ações de até 77% no acumulado de 2020.

Mesmo com muitos desafios, o Brasil tem um cenário muito favorável para o desenvolvimento do comércio eletrônico. É o que mostra uma análise feita pelo Itaú BBA para o portal NeoFeed, também divulgada em julho. Ela indica uma penetração de 70,2% da internet entre a população no país, índice maior que o da China, de 59,35%. Mas os altos custos de acesso à internet e dos smartphones e gargalos em infraestrutura e logística ainda travam o desenvolvimento do e-commerce nacional.

Nesse cenário, uma via fundamental para o crescimento do comércio eletrônico brasileiro são os marketplaces. Se globalmente, esse mercado é dominado pela Amazon, e na China, pela Alibaba e Tencent, por aqui, está pulverizado em vários players. Só em marketplaces, existem no Brasil cinco ou seis estabelecidos e competindo de forma franca.

Os grandes varejistas estão atentos à essa estratégia para ganhar escala e economizar investimentos, reforçando suas estruturas para absorver os pequenos comércios em seus canais. Um exemplo são as ofertas no modelo de fulfillment, no qual um varejista oferece aos lojistas parceiros de seu marketplace serviços que vão desde a coleta e o armazenamento até o empacotamento e a entrega dos produtos aos clientes. Para acelerar esse processo e otimizar seus ativos, que também estão com vendas em baixa, elas também estão usando suas lojas para melhorar o serviço, o tempo de entrega, a assertividade e reduzir custos.,

Mais do que colocar o produto no marketplace, o parceiro tecnológico possibilita que o seller aperfeiçoe sua atuação no ambiente digital. O sistema de vendas em marketplace ajuda o vendedor em pontos como:

  • divulgação do catálogo de produtos em vários site;
  • facilidade de administrar um estoque único;
  • programação de ofertas e promoções, entre outras funcionalidades.

Além da integração em plataforma única, o anunciante também conta com a possibilidade de divulgar produtos para milhões de visitantes e, consequentemente, aumentar sua receita.

Essas estratégias são fundamentais para a sobrevivência do negócio na plataforma. Afinal, de nada adianta anunciar seu produto num marketplace se ele não aparece para os consumidores. Lembrando que o empreendedor que deseja transacionar nessas plataformas precisa contar com as ferramentas certas para fazer o seu produto entrar nas páginas principais e nas campanhas promocionais dos marketplaces — e, assim, gerar escala para vender nesses canais. Ao ofertar o produto para os consumidores, é fundamental que ele possa ser entregue nos prazos acordados e sem estragos.

Nesse sentido, o parceiro tecnológico possibilita controlar diversas etapas e processos das transações online. Tudo isso por meio de funcionalidades como:

  • integração do catálogo de produtos e pedidos;
  • cotação online de logística e contratação automática de transportadoras e correios;
  • emissão de nota fiscal e etiquetas de postagem;
  • indicação dos valores a receber;
  • realização de conciliação financeira;
  • e acompanhamento da atualização de status de pedidos postados.

Além disso, contam com especialistas que ficam responsáveis pelas vendas juntos aos marketplaces e soluções de business intelligence para realizar análises gerenciais do negócio e automatizar operações.

Em suma, o universo dos marketplaces é um oceano vasto e profundo. E se você é um peixinho, mas quer nadar de braçada, não perca tempo nem dinheiro investindo em tecnologias. Invista na sua marca e no seu negócio e busque um parceiro especializado para ter o melhor posicionamento nos marketplaces.

O post As vantagens de ter um parceiro tecnológico para atuar em marketplaces apareceu primeiro em E-Commerce Brasil.

Na próxima semana farei mais um review com depoimento e resenha sobre As vantagens de ter um parceiro tecnológico para atuar em marketplaces. Espero ter ajudado a esclarecer o que é, como usar, se funciona e se vale a pena mesmo. Se você tiver alguma dúvida ou quiser adicionar algum comentário deixe abaixo.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.