Ads Top

Live commerce: como implementar de forma prática

As compras ao vivo (live commerce em inglês) aumentaram em popularidade desde o início da pandemia de Covid-19, com a Coresight Research prevendo que crescerá para US$ 25 bilhões em vendas anuais nos EUA até 2023.

Embora essa tendência de compras online tenha aumentado recentemente nos EUA, ela tem sido uma opção de compras extremamente popular na Ásia há anos, de acordo com a CNBC. Somente na China, gerou aproximadamente US$ 125 bilhões em vendas em 2020 – acima dos US$ 62 bilhões em 2019.

No Brasil, o conceito é conhecido, mas pouco explorado.

O live commerce tem um longo caminho a percorrer, mas ele pode representar uma oportunidade para marcas e varejistas testarem e aprenderem.

Live commerce: o que é e como funciona?

Livestream shopping, que também é chamado de streaming de comércio eletrônico ou venda ao vivo, é quando marcas ou varejistas aproveitam a tecnologia de streaming de vídeo ao vivo para vender online produtos aos espectadores online.

Com a capacidade de criar uma relação duradoura de confiança com clientes e prospects, esse método de vendas permite que conteúdo de alto valor seja distribuído para um público amplo.

O live commerce oferece uma experiência de compra do cliente mais interativa e intuitiva em três etapas:

  • Os internautas assistem a uma apresentação de um produto, veem como ele funciona em tempo real e descobrem por si mesmos suas vantagens ou seus principais pontos de interesse.
  • Assim que chama a atenção, eles verificam os descritivos dos produtos para saber mais sobre seu preço ou desempenho técnico, ou entram em contato diretamente com seus vendedores por meio de uma solução de bate-papo para tirar suas dúvidas.
  • Convencidos pela demonstração, realizam a compra em apenas alguns cliques, utilizando um link integrado.
  • Essa forma revolucionária de vendas oferece aos seus clientes uma experiência de compra online radicalmente diferente. Mistura compras e entretenimento, ajudando a humanizar o processo de vendas, valorizando a imagem da sua marca e promovendo visualmente o seu catálogo.

    A complementaridade entre um site de e-commerce e lojas físicas é reforçada, trazendo ao seu público uma demonstração comparável a uma que eles podem encontrar na loja.

    As quatro vantagens do live commerce

    As taxas de conversão para compras ao vivo em países como a China são altas. E, segundo a especialista americana em comportamento do consumidor Mary Ghahremani, os números variam entre 20% e 40%.

    Quando se considera que páginas de produtos bem otimizadas convertem a taxas muito mais baixas, é possível perceber que essa tendência é importante demais para ser ignorada.

    Conheça, abaixo, alguns benefícios desse tipo de estratégia:

    Vantagem #1: a interação com o público oferece grandes oportunidades

    As compras ao vivo são essencialmente um infomercial. O fato de que você pode interagir com o público se torna uma oportunidade incrível de informar seus clientes e fidelizar a sua marca.

    Também é possível dialogar com quem está do outro lado. Eles podem fazer perguntas, solicitar demonstrações específicas e muito mais. Essencialmente, você traz uma experiência de compra que se tem na loja para o comércio eletrônico.

    Vantagem #2: a transmissão ao vivo gera engajamento

    As compras ao vivo atraem um comprador mais engajado, que tende a ficar mais tempo assistindo à transmissão. De acordo com Mary Ghahremani, uma média de nove minutos na transmissão ao vivo por cliente, o que, segundo os insights da Bambuser, é de três a quatro vezes mais tempo do que um comprador navega em um site.

    Vantagem #3: eventos virtuais podem atrair um público maior

    Não se esqueça de que as compras ao vivo também são um evento. E em tempos de isolamento social e em que as pessoas procuram não sair tanto de casa, as programações virtuais devem ser o centro da estratégia de marketing de uma marca. Elas são mais baratas e podem atrair um público maior.

    Vantagem #4: compras ao vivo podem criar comunidades

    As compras ao vivo são uma atividade comunitária. Os compradores estão lá com outras pessoas que compartilham os mesmos gostos, dando uma sensação de pertencimento. Essa comunidade também pode criar uma sensação de escassez de que os produtos em que se está interessado poderão não estar disponíveis por muito tempo.

    Desvantagens das compras ao vivo para marcas e varejistas

    Como tudo na vida não são flores, há alguns entraves que podem dificultar a adoção da estratégia de live commerce.

    Conheça mais sobre eles:

    Desvantagem #1: falhas de tecnologia representam desafios

    Não basta apenas começar a filmar com um celular. É preciso cuidar tanto da produção como das tecnologias envolvidas. Podem acontecer problemas com a qualidade do som e do vídeo, por exemplo, e o resultado ser uma gravação caseira.

    A experiência do usuário (UX) da plataforma também precisa ser levada em conta. Os nomes dos produtos precisam estar claros, assim como as suas descrições. Quem assiste ficará desapontado se houver um botão para curtir e não ser oferecido nenhum feedback ao clicar nele.

    Desvantagem #2: inconsistências de conteúdo levam à desistência da compra

    Se a ação de live commerce for de vestuário, por exemplo, um erro grave é mostrar com detalhes em algum lugar da tela todos os itens que a modelo esteja usando, da cabeça aos pés. Eventos de estilização que destacam trajes completos criam um cenário ideal para a compra de itens em conjunto, mas as páginas dos produtos precisam estar organizadas dessa forma.

    Desvantagem #3: o conteúdo pode atrapalhar a construção da comunidade

    O moderador no feed do chat precisa conseguir acompanhar as perguntas do público. E, quando isso não acontece, a ação será inútil. Quem apresenta precisa se envolver com quem assiste, respondendo as perguntas ao vivo e mostrando detalhes que foram pedidos por mensagem. Não é apenas mostrar um desfile de peças e produtos bonitos sem levar em conta a experiência do consumidor.

    Live commerce: a modalidade que você precisa abraçar

    O live commerce ou live shopping começou nas redes sociais, mas atualmente grande parte das transmissões ao vivo ocorre em sites de e-commerce. A escolha entre esses diferentes canais depende de seus objetivos, das metas que se deseja alcançar.

    Em seu site, você aborda seu público existente, composto por consumidores que já apreciam seus produtos e que provavelmente já fizeram pedidos. Nas redes sociais, no entanto, você se envolve com um público muito mais amplo que precisa ser convencido para que os espectadores se transformem em clientes.

    Ao colocar uma estratégia do tipo em prática, cabe a você escolher o canal de vendas que mais lhe convier com base no produto e serviço oferecido e em suas expectativas. Você também pode optar por um multicast ao vivo, tanto no site quanto nas redes sociais, se quiser atingir o maior número de espectadores possível – por exemplo, integrando o vídeo da rede social em seu site, recurso que a maioria das plataformas oferece atualmente.

    Embora as compras ao vivo ainda tenham um longo caminho a percorrer, essa tendência crescente pode representar uma enorme oportunidade para marcas e varejistas testarem e aprenderem. Se usadas corretamente, as compras ao vivo têm um potencial incrível. E é sempre melhor chegar cedo demais para uma tendência como essa do que tarde demais.

    Leia também: A revolução do live commerce vem para humanizar as vendas digitais

    O post Live commerce: como implementar de forma prática apareceu primeiro em E-Commerce Brasil.

    Na próxima semana farei mais um review com depoimento e resenha sobre Live commerce: como implementar de forma prática. Espero ter ajudado a esclarecer o que é, como usar, se funciona e se vale a pena mesmo. Se você tiver alguma dúvida ou quiser adicionar algum comentário deixe abaixo.

    Nenhum comentário:

    Tecnologia do Blogger.