Ads Top

Pix: entenda por que já passou da hora de você aderir a esse meio de pagamento

Desde o seu surgimento, em novembro de 2020, o Pix é um método de pagamento utilizado em transações comerciais e está cada vez sendo mais utilizado devido à facilidade e à mobilidade que traz ao usuário. Ele é um método de pagamento que se diferencia porque não tem custo e possui maleabilidade em dias e horários de uso, por mais que esteja com algumas regras novas a fim de evitar fraudes.

O Pix já é um método de pagamento que está em vigor no Brasil, e os consumidores estão cada vez mais adeptos ao formato. Neste artigo, vamos entender um pouco mais suas particularidades e como o Pix está sendo utilizado no e-commerce. Confira!

Como surgiu o Pix?

Criado pelo Banco Central para facilitar os processos de transações financeiras, com agilidade e sem custos de transferências, o Pix é um meio democrático, já que pode transferir valores para pessoas físicas e jurídicas de maneira simples e segura. O que é importante frisar é que não é possível desfazer um Pix, somente se o recebedor fizer a devolução do valor através de outro Pix. Por isso, os dados devem ser conferidos com cautela.

Para quem ainda não aderiu, o Pix é realizado através dos próprios aplicativos das instituições financeiras por meio do cadastro de chaves Pix, códigos que delimitam para onde o valor será transferido.

Até então, os meios mais tecnológicos de pagamento eram as transferências através de TEDs e DOCs, assim como os boletos ou cartões. Porém, todas as opções tinham algum tipo de custo e, muitas vezes, implicavam em demora para o pagamento e o recebimento. Todas as opções continuam ativas com a implementação do Pix. Ele passa a ser uma opção a mais para os consumidores.

Quais são os atuais limites do Pix?

O Pix começou sem limites para mínimo e máximo de valor a ser transferido, 24 horas por dia e sete dias por semana. O valor mínimo continua ativo, podem ser transferidos centavos através do Pix sem gerar custos ou complicações, mas as regras adotadas pelo Banco Central foram ficando mais rígidas para evitar fraudes e aumentar a segurança. As transações noturnas se limitam a apenas mil reais, já que o horário comercial é quando acabamos tendo maiores transferências de valores no mercado.

O Pix no e-commerce: entenda como funciona

Desde o início da pandemia de Covid-19, e praticamente do surgimento do Pix, o meio de pagamento já estava disponível para as transações no e-commerce. Mas foi somente com o crescimento da confiança no Pix, a partir de 2021, que o consumidor passou a utilizá-lo com mais frequência, inclusive nas compras online.

Atualmente, o Pix ocupa o terceiro lugar nas compras no e-commerce, atrás de cartão de crédito e boleto bancário.

Muitos negócios já estão inclusive oferecendo descontos para quem efetuar o pagamento através de Pix, já que o pagamento é instantâneo, e entra diretamente na conta do lojista, o que incentiva o consumidor a adotar cada vez mais o uso da modalidade em seu dia a dia. Através do Pix, as lojas vendem mais e economizam em taxas, o que pode ser repassado em vantagens ao consumidor.

Como o pagamento através do Pix é realizado? Quais as vantagens?

O Pix funciona quando os dados básicos que conectam as transações são identificados através da chave Pix de quem transfere e para quem o valor é transferido. Quem tem conta pessoa física pode ter cinco chaves para cada conta, e os clientes que têm conta no modelo pessoa jurídica podem ter até 20 chaves para cada titularidade.

O papel das chaves Pix nada mais é do que veicular os dados básicos e realizar a transferência corretamente, e assim acontece o pagamento instantâneo.

O lojista que deseja receber pagamentos através de Pix pode registrar um QR code para pagamento direto ou disponibilizar a chave para os clientes. Quem paga o Pix não precisa ter chave cadastrada, basta apenas ter em mãos a chave Pix para destinar o pagamento.

Ou seja, as principais vantagens do Pix são:

  • Agilidade: o Pix pode ser transferido em até dez segundos.
  • Comodidade: sem precisar fazer transações financeiras complicadas.
  • Segurança: somente PSPs autorizados pelo Banco Central podem se conectar ao Sistema de Pagamento Instantâneo e, com isso, o Pix blinda as transações com procedimentos como marcadores de fraude e transações rastreáveis.
  • Fluxo de caixa maior: com o dinheiro entrando de maneira instantânea e sem taxas, o negócio passa a ter maior fluxo de caixa ativo, mesmo nos finais de semana e feriados.

Pix para todos!

Organizar as entradas e as saídas de Pix no seu negócio fica mais fácil com o auxílio de um ERP de confiança. Todos os tamanhos de negócio podem utilizar o Pix. Mesmo o MEI, que muitas vezes acaba não tendo um grande giro de caixa, passa a receber de maneira mais instantânea.

Através de tecnologia, o seu negócio funciona de maneira mais orgânica e integrada, pagando menos taxas de transações e contando com soluções seguras para crescer cada vez mais. O Pix como método de pagamento traz agilidade para o dia a dia dos consumidores e lojistas, e possibilita que mais pessoas tenham acesso a compras através do e-commerce.

Leia também: Pix: de novidade a meio de pagamento consolidado – o que ainda precisamos discutir?

O post Pix: entenda por que já passou da hora de você aderir a esse meio de pagamento apareceu primeiro em E-Commerce Brasil.

Na próxima semana farei mais um review com depoimento e resenha sobre Pix: entenda por que já passou da hora de você aderir a esse meio de pagamento. Espero ter ajudado a esclarecer o que é, como usar, se funciona e se vale a pena mesmo. Se você tiver alguma dúvida ou quiser adicionar algum comentário deixe abaixo.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.