Ads Top

Perspectiva de negócios pós-Covid

Agradeço por não terem me perguntado em 2019, nesta mesma época do ano, quais seriam minhas impressões para 2020. Se o tivessem feito, eu estaria embaraçosamente errado. Como grande parte das pessoas que conheço, meu palpite para 2020 é que seria um ano muito parecido com 2019, talvez até melhor. Isso, claro, é porque eu (assim como todo mundo) não tinha como prever o alastramento de uma pandemia global que tirou dos trilhos indústrias e economias inteiras, matando centenas de milhares de pessoas em todo o planeta. Então, agora quando olho para 2021, faço isso com cautela e uma boa pitada de modéstia.

Dito isso, toda empresa precisa fazer certas projeções para operar, e a minha não é exceção. Portanto, aqui está como vejo o desenrolar do novo ano, baseado em grande parte em como as empresas e os indivíduos responderam ao surto de coronavírus no início de 2020.

Por um lado, a maioria das empresas norte-americanas reagiu rapidamente (e por instinto) à disseminação da Covid-19. Suas respostas frente à pandemia envolveram normalmente padrões que agora nos são familiares para minimizar o contato humano. Ou seja, trabalhar em casa sempre que possível; manter distanciamento físico; redobrar a atenção para lavar as mãos/ usar máscaras; instalar divisórias de acrílico nos escritórios; e tentar substituir as famosas reuniões por videoconferências. O foco principal era manter a continuidade da conexão entre os funcionários dentro da empresa, bem como com clientes e fornecedores fora dela.

Mas todas essas medidas foram vistas como respostas de curto prazo a um problema que logo estaria sob ‘controle’. A maior parte das ações, e de uma nova forma de pensar, centrou-se em alguns meses de inconveniência e improvisação, seguidos da volta do ‘normal’. Mais tarde, isso evoluiu para uma reflexão mais profunda que durou alguns trimestres. E agora, quase entrando em 2021, com um número crescente de casos de Covid-19, algumas mudanças de resposta à pandemia que encaramos como pontuais terão seu status elevado para mudanças permanentes, com implicações diretas na arquitetura do sistema corporativo.

A capacidade de nos conectar uns aos outros remotamente para colaboração, transações e treinamentos, bem como a de nos conectar à distância a equipamentos, tanto para controle de produção como para suporte e manutenção, são poderosas e trazem vantagens significativas sobre os seus antepassados mais tradicionais. Felizmente para todos nós, tais ferramentas já eram utilizadas antes da pandemia. Os conceitos de suporte, controle e colaboração remota já haviam se tornado familiares, e grande parte da tecnologia já estava disponível. Assim, para muitas organizações, o aumento rápido no número de tarefas remotas provou ser mais incremental do que abrupto.

Algumas indústrias sobreviveram melhor à mudança do que outras. Para a Educação, tem sido uma experiência brutal. A familiarização dos professores em sala de aula com as ferramentas do ensino à distância não correu particularmente bem. Além disso, os serviços de wi-fi são fortemente limitados em muitas partes do mundo, tal como a disponibilidade de dispositivos interativos. Os aspectos socializadores da educação tradicional são extremamente difíceis de replicar em linha. E embora os custos da mudança para a aprendizagem à distância tenham sido extensos, os orçamentos das escolas públicas não acompanharam o ritmo e as receitas das faculdades e universidades despencaram.

Já as indústrias relacionadas a serviços têm se saído um pouco melhor. Com uso da conectividade remota, por vezes melhorada pela Realidade Aumentada (RA), muitos projetos de instalação que antes exigiam um ou dois técnicos no local podem agora ser feitos à distância, eliminando o tempo gasto em viagens e multiplicando a produtividade das equipes em serviços de campo. Como resultado, a RA está hoje muito mais à frente de onde, em 2019, pensávamos que estaria. Suas aplicações no controle, testes e acesso a bases de dados locais — procedimentos que antes tinham de ser feitos no local — estão se expandindo rapidamente.

A meu ver, a Realidade Aumentada e sua ‘prima’, a Realidade Virtual (RV), serão tecnologias transformadoras em 2021. Também vejo para o ano que vem um crescimento constante da Inteligência Artificial (IA), que se tornará cada vez mais útil à medida que mais dados serão gerados e capturados. Você pode pensar nisso como se fosse o processo de crescimento de uma criança.

A razão pela qual as pessoas são capazes de tomar decisões melhores à medida que crescem e envelhecem é porque seus cérebros retêm mais experiência. O mesmo acontece com a IA. À medida que os produtos de IA passam por mais cases de uso, mais obtêm pontos de dados para uma maior precisão no futuro. É uma versão mecanizada da curva de aprendizado que já nos é familiar.

O crescimento de todas essas tecnologias reforça a nossa tese de negócios de que suporte remoto, controle e condutividade são aplicáveis a uma ampla gama de empresas, indústrias e mercados. A pandemia apenas destacou seu valor, acelerando a migração de tecnologia aplicável a casos extremos para uma tecnologia que está no centro de soluções corporativas completas.

Como a maioria das pessoas, acredito que o coronavírus irá embora algum dia, permitindo-nos contemplar quais aspectos do velho normal queremos restabelecer. E à medida que isso acontecer, precisamos nos perguntar quais coisas queremos continuar fazendo da maneira que nos acostumamos na pandemia e que coisas teremos de voltar a fazer do jeito antigo — ou, na verdade, como aplicar a engenharia reversa em nossos trabalhos.

O que determinarmos tornar permanente exigirá investimento em software, treinamento e arquitetura de sistema. Já o que decidirmos ser revertido provavelmente enfrentará alguma resistência dos funcionários e equipes de trabalho que gostaram e se adaptaram muito bem ao trabalho remoto, evitaram o deslocamento diário, encontraram um melhor equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e acabaram com as distrações do escritório. O ser humano é adaptável e certamente encontrará novas formas de se ajustar ao trabalho no escritório e a tudo relacionado a isso. E eu realmente gostaria de acreditar que isso começará a acontecer antes do final de 2021.

O post Perspectiva de negócios pós-Covid apareceu primeiro em E-Commerce Brasil.

Na próxima semana farei mais um review com depoimento e resenha sobre Perspectiva de negócios pós-Covid. Espero ter ajudado a esclarecer o que é, como usar, se funciona e se vale a pena mesmo. Se você tiver alguma dúvida ou quiser adicionar algum comentário deixe abaixo.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.